Foto: Entenda como investir a curto, médio e longo prazo

Categorias: Investimento,

Entenda como investir a curto, médio e longo prazo

Postado por • 01 junho 2017

Se você quer garantir mais segurança para você e para o futuro da sua família, talvez seja o momento de começar a aplicar parte da sua renda. Antes de tomar essa decisão, no entanto, é importante conhecer as opções do mercado e pensar em como investir o seu dinheiro de acordo com seus objetivos.

Muita gente pensa apenas em uma variável na hora de escolher seus investimentos: o risco da aplicação. Porém, planejar-se bem e analisar o prazo de recebimento é tão importante quanto avaliar o risco. Por isso, nós preparamos algumas dicas de investimento de acordo com o prazo de retorno.

Confira!

Como investir no curto prazo?

Normalmente, considera-se como aplicações de curto prazo aquelas que têm um tempo total inferior a 2 anos, podendo ter liquidez diária. Veja três opções para investir no curto prazo!

CDB

O Certificado de Depósito Bancário é um título de renda fixa emitido por bancos. Na prática, quem investe em CDB está emprestando dinheiro ao banco. Eles podem ter liquidez diária, ou seja, existe a possibilidade de retirar o dinheiro a qualquer momento.

No entanto, vale observar que a rentabilidade pode ser prejudicada quando o tempo de aplicação é muito curto.

Poupança

A poupança é uma velha conhecida dos brasileiros. Apesar do seu rendimento modesto, ela é fácil de ser controlada, não sofre cobrança de Imposto de Renda e é completamente flexível.

Tesouro Selic

Os títulos do Tesouro são emitidos pelo Governo Federal — ou seja, quem investe neles se torna um credor do Tesouro Nacional. O Tesouro Selic leva esse nome porque a sua rentabilidade é calculada com base na taxa básica de juros.

Ao optar pelo Tesouro Selic, o investidor terá o benefício da liquidez diária. A rentabilidade será o equivalente à variação da taxa Selic durante o período em que o título for mantido em carteira.

Que investimentos fazer no médio prazo?

Normalmente, a médio prazo são aqueles investimentos com vencimentos de até 5 anos. Veja alguns bons exemplos!

CDB

Os CDBs também podem ser de médio prazo, especialmente se o investidor quiser obter um rendimento maior. Nesse caso, os títulos costumam ter um prazo de vencimento médio e não podem ser resgatados a qualquer momento. Ou seja, é o caso clássico em que a liquidez é comprometida em prol de uma remuneração mais alta.

Letras de Crédito

As Letras de Crédito Imobiliário e do Agronegócio (LCIs e LCAs) são investimentos de renda fixa. Normalmente, os títulos têm prazo de vencimento a partir de 3 meses — podendo chegar a vários anos — e não podem ser resgatados antes do vencimento. A grande vantagem delas é que seus rendimentos são isentos de IR.

Letra de Câmbio

As letras de câmbio, apesar do nome, não têm nenhuma ligação com o câmbio de moedas. Elas são emitidas por financeiras e sociedades de crédito. Podem ser consideradas médio prazo porque, normalmente, têm um prazo de carência. A remuneração das LCs está entre as melhores da renda fixa.

Quais aplicações escolher para longo prazo?

Se está disposto a investir por mais tempo — acima de 5 anos, por exemplo —, você pode optar pelos investimentos de longo prazo. Confira alguns deles!

Fundos de ações

Os fundos que investem em ações na bolsa de valores são indicados para quem tem tempo para investir e sabe conviver bem com os riscos e as perdas temporárias.

Tesouro IPCA

O Tesouro IPCA faz parte dos títulos emitidos pelo Governo Federal. Sua remuneração acompanha o IPCA (inflação) e os prazos costumam ser longos, chegando a mais de 20 anos.

Investimento em imóveis

O investimento em imóveis continua sendo uma alternativa segura e atraente para o longo prazo. Os riscos são relativamente baixos e a rentabilidade pode ser muito boa, desde que você escolha os investimentos certos. Os imóveis comerciais são a grande aposta do momento.

Por fim, lembramos que investir é uma maneira de proteger seu patrimônio e garantir mais tranquilidade para o futuro. Frisamos também que a diversificação de ativos é sempre uma boa ideia.

Agora que você já sabe como investir para curto, médio e longo prazo, que tal espalhar a informação? Compartilhe o texto nas suas redes sociais e divida as dicas com seus amigos!

Quer Receber nossas novidades?

ar