Foto: Finanças pessoais e empresariais: 4 dicas para não misturá-las

Categorias: Eventos, Finanças, Investimento,

Finanças pessoais e empresariais: 4 dicas para não misturá-las

Postado por • 30 agosto 2017

Administrar uma empresa é sempre um desafio, independentemente da área de atuação. No entanto, por conta do período conturbado que a economia brasileira passou nos últimos tempos, essa tarefa se tornou ainda mais complexa. E é exatamente por isso que um gestor que anseia pelo sucesso jamais pode misturar as finanças pessoais e empresariais.

Infelizmente, esse ainda é um erro muito comum no mercado e que pode minimizar bastante as chances de sobrevivência do negócio, especialmente em se tratando de empreendimentos menores ou de organizações familiares. Confira o conteúdo que preparamos sobre o tema e veja como evitar isso!

1. Determine o seu pró-labore

O primeiro passo para não misturar as finanças pessoais e empresariais é definir previamente o valor do seu pró-labore. Se você ainda não está familiarizado com o termo, ele se refere à quantia de retirada que o proprietário ou sócio do estabelecimento realiza mensalmente, sendo um paralelo ao salário de um colaborador.

A tentação de não estipular precisamente uma determinada importância é grande, pois, como são donos do próprio negócio, muitos acreditam que podem simplesmente pegar o que julgarem necessário naquele momento, de acordo com seus gastos. No entanto, isso abre um precedente perigoso, que pode atrasar o desenvolvimento da empresa.

2. Tenha contas bancárias separadas

Outra atitude essencial para não misturar as finanças pessoais e empresariais é ter contas separadas para cada destinação, uma para sua renda pessoal e outra para a empresa. Mesmo que você conheça exemplos de quem sabe administrar as finanças de forma conjunta, essa é uma ação simples e que minimiza muito as chances de problemas.

Dessa forma, você poderá controlar muito melhor os lançamentos nos respectivos extratos, os pagamentos recebidos e as despesas pagas. Outro benefício é a maior facilidade em comprovar o seu faturamento e o da empresa, o que torna mais simples fazer as declarações de contribuições obrigatórias, como o Imposto de Renda.

3. Utilize softwares de gestão

A tecnologia pode ser uma poderosa aliada para separar as finanças pessoais e empresariais. Você não pode abrir mão dessa contribuição se pretende instituir uma administração mais segura e profissional no seu negócio. Dentro dessa realidade, você não pode deixar de contar com um software de gestão de fluxo de caixa.

A aquisição desse tipo de programa traz muito mais precisão para o seu orçamento, o que permite inclusive que você possa realocar recursos de acordo com as necessidades do empreendimento ou tenha mais respaldo para investir o seu dinheiro. Acredite, essas ferramentas são imprescindíveis.

4. Conte com ajuda profissional

Por fim, caso você tenha adotado todas as atitudes possíveis e ainda assim esteja experimentando dificuldades para separar as finanças pessoais e empresariais, talvez seja o momento de mudar de paradigmas e buscar ajuda de profissionais que realmente entendam desses meandros.

Especialmente se o seu negócio não conta com um setor financeiro ou se essa equipe for desorganizada, o mais indicado é contar com um especialista para ajudá-los nesses processos. Faça uma pesquisa no mercado, use a internet para buscar informações ou peça recomendações de empresários amigos.

Agora que você já está pronto para separar as finanças pessoais e empresariais, outra ação importante que você deve aplicar é aumentar a eficiência do escritório. Confira algumas das nossas dicas.

Se você gostou deste conteúdo, aproveite para seguir nosso perfis no Facebook e Instagram.

Quer Receber nossas novidades?

ar